Caminhada aventura de Talim a Lisboa!

Bruges e a costa belga

A nossa passagem pela Bélgica poderia ter sido assim: Depois do controlo de segurança, atravessámos a fronteira, andámos até Bruges, conhecemos a cidade, caminhámos ao longo da costa, uma das mais curtas na nossa viagem, e chegámos à fronteira francesa. Fim.
Como podem imaginar, foi bem mais emocionante que isso. Os sete dias na Bélgica estavam repletos de paisagens lindíssimas, caminhadas maravilhosas em excelente companhia, e até mesmo incluíam uma entrevista para uma revista.

Partimos de Sluis de manhã cedo no dia 210, e logo alcançámos a fronteira. Conforme esperado, havia uma carrinha com homens com ar oficial junto à barreira no caminho ao longo do canal, de forma que nos preparámos para mostrar os nossos bilhetes de identidade e explicar o nosso motivo para entrar em território belga. Chegámos mais perto, mas os homens pareciam não nos notar. Passámos pela carrinha e apercebemo-nos de que eram trabalhadores do município, a consertar algo no canal. Não estavam minimamente interessados em nós e só falaram connosco, quando pedimos a um deles tirar uma foto nossa junto à suposta linha de fronteira. Isso foi tudo, tínhamos chegado à Bélgica!

O canal de Damme, mandado construir por Napoleão para permitir o transporte eficiente das suas tropas, foi um cenário deslumbrante para a nossa caminhada e até garantiu um pouco de diversão, quando tivemos de atravessá-lo num ferry de auto-serviço. O trilho de caminhada estava muito bem marcado e o facto que ele fazia parte do E9 constava em cada placa.

DSC01556 DSC01577 DSC01583 DSC01587 DSC01588

Parámos para almoçar em Damme, uma localidade que na Idade Média servia de porto para a cidade de Bruges e ainda preserva o seu antigo esplendor.
DSC01606 DSC01611 DSC01616 DSC01625

O nosso objetivo para o dia foi chegar a Bruges, no entanto, por isso continuámos a caminhar até ver o contorno das suas casas na luz dourada da tarde. Esta cidade, extremamente rica e poderosa até o século XVI, tinha passado 400 anos na obscuridade, antes de ser redescoberta no século XX, assim preservando o seu lindíssimo centro medieval. Havia muito tempo que queríamos conhecer Bruges, portanto não resistimos e caminhámos alguns quilómetros a mais para admirar os seus becos estreitos e praças exuberantes, antes de finalmente largar as mochilas na pousada de juventude.
DSC01654 DSC01657 DSC01661 DSC01674 DSC01689 DSC01696 DSC01704 DSC01717 DSC01731 DSC01736 DSC01741

O pernoite na pousada da juventude foi patrocinado pela associação belga de caminhada e ciclismo Grote Routepaden, que estava interessada no nosso projeto desde o início e apoiava-nos de diferentes formas. Eles gentilmente ofereceram organizar a estada em pousadas belgas na nossa rota, colocaram-nos em contacto com um caminhante apaixonado pelo E9, que juntou-se a nós no último dia, e vieram ter connosco em Bruges no dia 211 para uma longa conversa sobre a nossa experiência de caminhar no caminho de longa distância E9. Foi ótimo encontrar o Gie Beirnaert, presidente da associação, e o Peter Cristiaensen, editor-chefe da revista de caminhada Op Weg. Eis algumas lembranças do nosso encontro:

Os dois dias seguintes foram passados em ótima companhia: O Claude, um antigo colega da Moiken, tinha vindo da Suíça para caminhar e explorar a área de Bruges connosco. Partimos cedo na pousada de juventude e caminhámos até o hotel dele, de onde fizemos uma linda caminhada juntos, a passar por canais, parques, campos e pequenas vilas. O nosso intervalo para almoço foi na tasca mais surpreendente: Dentro da minúscula casa de pedra, eles serviam uma pequena escolha de pratos do dia e petiscos. A comida, embora muito saborosa, tinha a única função de acompanhar uma impressionante seleção de 80 cervejas belgas, 9 delas à pressão! Infelizmente, pudemos provar apenas três delas no total, pois queríamos chegar ao fim da caminhada sem acidentes, mas ainda pensámos muitas vezes com saudade naquela ementa com dez páginas dedicadas à cerveja. Nos dias a seguir, tivemos o prazer de degustar mais algumas cervejas fantásticas, procurem quantas delas vocês conhecem:

Terminada a parte da caminhada, pouco antes da chuva começar a cair a sério, apanhámos um autocarro de volta à cidade e terminámos o dia com um jantar maravilhoso.
Aprendemos bastaste sobre Bruges no próximo dia, durante uma caminhada guiada pela cidade muito interessante e divertida.

DSC01771 DSC01777 DSC01782 DSC01788 DSC01798 DSC01799 DSC01812 DSC01814 DSC01819

No dia 214, estávamos nós dois na estrada outra vez. Depois de caminhar mais um pouco pelo interior, e ficar completamente encharcados na primeira parte do dia, chegámos ao mar e graças ao vento forte, as nossas roupas secaram logo!
Seguimos um bom trilho pelas dunas – uma tentativa de caminhar na praia foi logo abortada devido à ventania – e juntámos toda a nossa coragem para entrar num pequeno barco que levava-nos até a área central de Oostende na outra margem do porto. A curta travessia correu bem e pudemos descansar um pouco numa pousada de juventude moderna, cortesia dos caminhantes belgas. A nossa amiga Gigi chegou no final do dia para fazer-nos companhia nos próximos dias.

DSC01823   DSC01834   DSC01847   DSC01853   DSC01857
11 AM/ 11 Uhr/ 11 horas

O nosso alegre grupo de caminhada cresceu rapidamente a cada dia. A caminho de Nieuwpoort, a Gigi, o José e a Moiken caminharam pela cidade portuária de Oostende e admiraram as fabulosas, e um pouco decadentes, Galerias Reais na praia do Mar do Norte. Logo depois ficámos a perguntar-nos quem teria dado a permissão de construir enormes blocos residenciais junto à promenade, que deixaram a praia na sombra a maior parte do dia. Em seguida, andámos por um trilho através de um parque verde, de dunas onduladas e ao longo de mais um dos muitos canais na Bélgica. Este, junto com o Yser, o rio principal, e alguns outros canais, todos a desembocar na mesma baía, tinha importância estratégica durante a primeira guerra mundial, quando a área foi inundada para impedir que os alemães ocupassem toda a Bélgica. Nenhuma inundação perturbou a nossa caminhada, ao contrário, chegámos a Nieuwpoort com um lindo sol. Fizemos um pequeno piquenique no cais à margem do rio Yser e andámos os últimos quilómetros até o nosso alojamento. Para jantar, tivemos de caminhar os mesmos quilómetros de volta ao cais, pois estavam lá todos os restaurantes. Apenas alguns estavam abertos no primeiro dia de dezembro, no entanto, de modo que ficámos muito contentes ao encontrar uma simpática pizzeria. Foi lá que encontrámos o nosso outro companheiro de caminhada, o Bart. Ele já estava a seguir as nossas aventuras durante algum tempo, e não se importou de dirigir muitas horas para caminhar connosco por um dia.

DSC01864 DSC01871 DSC01878 DSC01879 DSC01883 DSC01886 DSC01890 DSC01895 DSC01896 DSC01908 DSC01930 DSC01931 DSC01943 DSC01946 DSC01948

O Bart já caminhara mais de 2.500 quilómetros no E9, a maioria deles nos países onde ainda iríamos passar, e foi um grande prazer compartilhar este pequeno trecho do caminho de longa distância com ele. Tivemos um dia magnífico juntos, com muito sol, caminhadas na praia, através de dunas, e obviamente a provar algumas cervejas deliciosas no final.
Dissemos adeus a ele, a nossa amiga Gigi ainda nos levaria até a fronteira francesa no dia seguinte.
DSC01952 DSC01957 DSC01965 DSC01972 DSC01974 DSC01979 DSC01980 DSC01994 DSC02002 DSC02006 DSC02008 DSC02012 DSC02013 DSC02017 DSC02027

a carregar o mapa - aguarde por favor...

Pension Hof van Sluis: 51.306974, 3.389665
Europa Hostel: 51.194315, 3.233349
Meetkerke: 51.239289, 3.160833
Oostende Ferry: 51.234211, 2.927006
Oostende: 51.232212, 2.923195
De Ploate Hostel: 51.233395, 2.918052
Ter Nies: 51.140804, 2.729604
Parkhotel: 51.099228, 2.587241

Leave a reply

Estatisticas

km

12 países atravessados
319 dias de caminhada
89 dias de descanso

Actualizado em 11/06/2016 – CHEGAMOS A LISBOA!